21/11/2014

O que tu me fazes...

    Estar apaixonada faz-nos sentir as coisas mais estranhas do mundo. Hoje sinto que quero que o tempo passe o mais rápido possível, para que chegue o dia em que estejamos os dois na mesma casa, a conversar, serenos, com o barulho dos nossos filhos como ruído de fundo, a planear umas férias, a discutir quem vai levar quem à escola, a falar no jantar do próximo fim de semana... E ao mesmo tempo, quero que o tempo pare para que nada do que temos agora se perca. Para que sejamos eternos e eternamente apaixonados. Para que nunca deixemos de ser os jovens palermas e felizes que somos. Para que possamos viajar e apanhar bebedeiras, ir ao cinema e dar passeios intermináveis durante a madrugada, para que o amor que sentimos agora nunca se desvaneça.

16/11/2014

Mesmo quando as temos entrelaçadas...

Agora com a escola, o tempo foge-nos por entre as mãos, amor.

Não deveria ser assim. Traz de volta o Verão, por favor, para que possa passar todas as horas de todos os dias contigo, para te ter aqui, tão perto, a cada segundo, que nunca chegue a sentir a tua falta.

Eu sei que não consigo viver sem ti, não consigo abdicar destas tardes nos cafés, das saídas à noite em que passo o tempo agarrada a ti, das horas que passamos no quentinho da cama. Desde sempre que és o namorado mais perfeito do mundo, porque gostas de mim mal vestida, de cabelos no ar, sem maquilhagem ou quando me esqueço de fazer a depilação. Gostas de mim mesmo quando desato a chorar sem razão, quando te trato mal, e mesmo quando sou má e te faço chorar. Gostas de mim mesmo que eu não goste de techno e seja do Porto.

Gostas de mim independentemente de tudo, e é nesses momentos que eu me sinto arrebatada, impotente, incapaz de demonstrar o quanto de mim é teu. Aí peço-te que me abraces com toda a tua força pois o medo de te perder invade-me o coração, beijo-te e acredito que vamos ficar juntos para sempre. Que vamos viver juntos e te vou acordar todos os dias com um beijinho e um 'amo-te' sussurrado ao ouvido, que vamos casar e ter os filhos mais lindos do mundo e que nunca nada nem ninguém nos vai conseguir separar. Fomos feitos um para o outro e não duvido que vamos ter o nosso final feliz. Dou-te um beijinho no pescoço e acredito que vamos ficar assim para sempre. Apaixonados. Felizes. Juntos. Acredito em NÓS, porque se não acreditasse não tinha mais nada em que acreditar. Tu salvaste-me, fizeste-me voltar a viver, e por isso não posso existir se tu não estiveres ao meu lado. O meu coração é teu, André.

Amo-te

13/10/2014

Chuva

Outono. Quase-Inverno. Chuva, frio, e uma vista brilhante da nossa Coimbra. Um carro, duas mãos dadas, dois miúdos apaixonados.
Hoje foi assim. Enquanto olhava pela janela e admirava a maior beleza que a nossa cidade tem para nos mostrar, com a tua mão a aquecer a minha, as nossas respirações a embaciar os vidros do carro, tornando mais quente o ar que nos rodeava, apercebi-me que de facto não havia outro sítio no mundo onde desejasse estar. Não havia mais ninguém com quem quisesse partilhar esse momento. Apercebi-me de que quando digo que és o amor da minha vida, não é de todo em vão. És a pessoa que mais amei em toda a minha vida, a minha verdadeira paixão, a minha alma gémea. Eu sei, torno-me repetitiva, mas é tudo o que passa na cabeça. Tu és a melhor companhia do mundo, até o teu silêncio é lindo. Basta sentir que estás ao meu lado, sentir o teu coração bater, ouvir o ar sair dos teus pulmões, para saber que melhor não podia estar.
E foi assim que me senti hoje, é assim que me sinto sempre. Em paz, segura, exuberantemente feliz.
Amo-te.

18/09/2014

E quando parecia impossível...

... retiro tudo o que disse sobre o amor não existir, sobre nunca mais me apaixonar, sobre ficar sozinha para sempre.
Porque essa já não sou eu.
Porque ele chegou. E virou o meu mundo ao contrário. 
Porque estou louca e perdidamente apaixonada por ele. Ele, que sabe exactamente como lidar comigo, como falar comigo, como me fazer cada vez mais feliz a cada dia que passa. Ele, que me agarrou assim que eu vi que estava a cair. 
Ele és tu, André. Tu, que és o homem da minha vida. Digo isto sem hesitar por sei, com toda a certeza, que nunca me senti assim. É contigo que quero ficar, só contigo, porque tu mudaste tudo. Mudaste a minha maneira de pensar, de ver o mundo, de ver a felicidade. Mostraste-me que é possível adormecer com um sorriso nos lábios, que ainda consigo acordar a pensar em alguém, que o amor existe, sim, e aparece quando menos estamos à espera. És a prova viva de que o destino não é uma ilusão, e és, irrevogavelmente, a minha alma gémea. Conseguiste fazer a minha vida parecer absurda sem ti, em tão pouco tempo. Repito, estou perdidamente, loucamente, enormemente apaixonada por ti. 
És o homem da minha vida.
És o amor da minha vida.

Para Sempre.

18/06/2014

Senti-me despertar já na madrugada. Envolta no fumo do meu tabaco e nos sons histéricos do jogo de futebol. Enquanto uns estudavam, eu olhava para folhas vazias em palavras e sentia a minha mente desfazer nós atados há eternidades. E continuei a fumar, inalando e absorvendo o fumo com a máxima intensidade para que o tempo passasse o mais rápido possível. Os sentimentos abatidos dentro de mim fluíram à superfície, assim como as lágrimas que brotaram dos meus olhos. O escuro envolveu-me outra vez, e então percebi: eu não estou bem. E nunca vou estar.

16/06/2014

"Estás arruinada por dentro."
Se calhar tens razão.
Ora estou muito bem sozinha e desperdiço quem quer estar comigo, ora me sinto em baixo e choro por não ter ninguém do meu lado. Num momento estou a imaginar um futuro risonho, solteira, bem sucedida, sem excessos nem amores ilusórios; e no outro deprimo por ter medo de nunca me apaixonar outra vez, medo de que ninguém se apaixone por mim.
Isto dá-me a volta à cabeça, e ao coração.

11/06/2014

Alta Definição #1


A minha "falta de sentimentos". Não compreendem porque ajo como se não houvesse mais ninguém no mundo digno do meu amor além de mim própria. Sei que a minha opinião é discutível e pode parecer extrema, mas é verdade quando digo que não há amor. Pelo menos não na forma em que achamos. Não existe nada isso de amor genuíno e puro e inocente. O amor não passa de um jogo. Jogo esse que eu me fartei de perder há já algum tempo.
E por isso sou incompreendida... Porque jogo esse jogo de tal modo que não há possibilidade de eu não sair a ganhar. Porque considero pessoas bonecos, porque me farto rápido, porque magoo quem se importa comigo. Porque não consigo sentir nada por ninguém sem ser algo físico.
Não me compreendem porque, certamente, nunca passaram o que eu passei. Nunca sentiram o mundo desabar aos seus pés cada vez que saíam da cama. Nunca adormeceram a pensar o quão bom seria não acordar no dia seguinte. Nunca sonharam com uma vida que sabem que nunca vão ter de volta. Nunca acharam que um amor era o centro de tudo. Mas por isso também, ainda não tiveram a oportunidade de ver o mundo como eu vejo, e sei que vai chegar um dia em que todos vamos pensar assim. Então todos seremos felizes sozinhos, em paz, em contentamento.

30/05/2014

soulmates

Almas gémeas.
Acredito que existem. Só não sempre de uma forma amorosa.
Acho que há certas pessoas que conhecemos durante a vida que nos marcam de uma maneira especialmente diferente. Pessoas que nos dão um dia bom dentro de muitos maus, que nos fazem sorrir entre muitos dias de choro e nos fazem querer guardar essas memórias como tesouros numa caixa. Pessoas que nos aquecem por dentro de uma maneira que sabemos que não é normal e entendemos que é algo mais. Essas pessoas não têm necessariamente que ser um namorado/a. Podem ser um amigo, um familiar, uma mãe ou um pai. Pode ser qualquer pessoa com que já tenhamos interagido. Podemos ainda nem sequer ter conhecido ninguém assim, mas é certo que um dia irá acontecer, qualquer dia, em qualquer lugar, vai haver um alguém que nos fará sentir esse clique e nos recordará que há coisas na vida que valem a pena a espera.

24/05/2014

Dear future lover

Querido futuro namorado,
Espero que entendas que quero ir com calma, e o porquê de isso ser assim. Espero que entendas que dificilmente me abro com as pessoas, e falo dos meus sentimentos. Já passei por muita coisa e houve muita coisa que passou por mim. Então construí paredes. Muitas. Em todo o lado. Com sorte, pode ser que se abram algumas janelas em teu nome, ou até portas, mas tens que ter paciência, carinho, força. Espero que aches que eu valha o esforço. Pode ser que com o tempo consigas destruí-las, pedra a pedra, tijolo a tijolo, mas sabe que elas nunca vão desaparecer por completo. Vai haver sempre um bocadinho de mim que vai estar magoado, e que não se vai deixar ir abaixo com medo de sofrer outra vez. Espero que saibas que estou a dar o meu melhor, e que se não faço mais é porque não consigo! Só te peço que sejas paciente. E que consigas compreender o porquê de fazer as coisas que faço. Peço-te que cuides de mim mesmo quando eu menos merecer. Que me beijes quando me apetecer gritar. Que me acalmes quando eu quiser chorar. E que me agarres quando eu tentar fugir.

18/04/2014

Choro

Há dias assim, ultimamente têm sido muitos. A dor consome-me, acompanhada pelo terror, como se não houvesse qualquer tipo de felicidade no mundo. O medo de não voltar a amar é extenuante, o medo de não voltar a sentir o que quer que seja. Sinto-me vazia, parte de mim não está cá... Anda perdida, à procura do amor, da paixão, da saudade. Não consigo sentir nada. Só sinto dor e raiva. Quero chorar. Chorar por quem não tenho, por quem nunca vou ter. Por quem olha para mim e me despreza, por quem já tive e perdi para sempre. Choro por ver feliz quem não merece. Choro por ver que há amor para todos, menos para mim.

10/04/2014

2010

Talvez um dia, o mundo inteiro esteja do nosso lado. Talvez um dia, o nosso amor seja tão forte que, juntos, conseguiremos lutar contra os mais terríveis monstros do planeta. Talvez um dia, os nossos corações sejam tão grandes que todas as pessoas do mundo tenham um espacinho para elas. Talvez um dia, sejamos tão unidos que morreremos juntos. Talvez um dia, entraremos num foguetão e damos uma volta até à lua. Talvez um dia, sejamos tão altos que conseguiremos tocar nas estrelas. Apenas sei que não vai chegar o dia em que o nosso amor seja deitado abaixo, sei-o de certeza.

07/04/2014

Mesmo pensando que não existe amor como achamos que o conhecemos, sinto a necessidade de saber mais sobre ele, todos os dias. Preciso de pensar em amar, de sentir amor, para conseguir compreender quem sou eu na verdade.
Sou a rapariga que diz que não acredita no amor, que existe só um e esse é o primeiro? Ou sou a rapariga que tem medo de amar novamente, ainda que precise disso para viver?
Raramente me deixo ir a baixo, mas quando acontece, a primeira questão que me ponho é se algum dia me vou apaixonar outra vez. Algum dia vou amar alguém como amei o primeiro? Incessantemente, incondicionalmente, genuinamente. Algum dia vou deixar de o amar? Algum dia vou voltar a estar com ele? Preciso de amor na minha vida, outra vez.

27/03/2014

Write Carelessly Now (Wrecking my jornal)


Carta ao Primeiro (pela segunda vez)


Quero que saibas que foste o amor da minha vida. Que apesar de neste momento estar a sentir o perfume de outro, só penso no teu, e que quando ouço o teu nome é como se uma tempestade se formasse dentro de mim, mostrando uma vez mais a falta que me fazes. 
És a ultima pessoa em quem queria estar a pensar, mas a verdade é que ultimamente tens sido a primeira que me vem à cabeça. 
Espero que estejas feliz. Que ela te ame quase tanto quanto eu amei. Espero que ela te conheça, e te saiba, e te viva, como eu fiz. Que te compreenda e entenda as tuas manias, os teus jeitos, e que te sinta como eu senti. O olhar que fazias quando querias muito alguma coisa... A maneira como lambias os lábios antes de sussurrares algo romântico... As rugas que se formavam à volta do teu nariz quando te rias de alguma coisa sem piada... Espero que ela saiba isto. 
Espero, também, que ainda penses em mim. Que quando ouvires "Sweet Child O'Mine" eu seja a primeira pessoa a passar na tua mente. Que quando olhares para as paredes ainda te lembres dos quadros que lá estavam. E que quando te falarem em mim, te lembres do quando me amaste.
Gostava de te poder dizer tudo isto. Hoje. Agora. E gostava de ouvir o que tens para me dizer, se é que tens algo de todo. Gostava de saber se a amas mais do que a mim. Se ela te faz mais feliz do que foste comigo...
Existem pessoas que dizem que vou casar contigo. Isso dói de uma maneira impossível de explicar. Estou sozinha, solteira. Fui abandonada e enganada. E mesmo assim, não há nada que queira mais do que estar contigo.
Quero pedir-te desculpas, mais uma vez. Desculpa ter-te partido o coração, e ter deitado tudo a perder. Desculpa todas as vezes em que não te ouvi e não te respeitei. Desculpa nunca te ter agradecido. E nunca te ter dito que nunca te vou esquecer. Desculpa. Desculpa não te ter dito o quanto te amava vezes suficientes, e desculpa tudo o que aqui fica por dizer.
Agora, na rua, quando olho para os jovens casais lembro-me de nós. Duas crianças inocentes, a descobrir o amor, juntos. Sei, passados 6 anos, com toda a certeza, que foste o meu primeiro e único amor. Que te amei como nunca vou amar ninguém. Que, hoje, ainda dava a minha vida por ti. Que foste o único que me conheceu de verdade. Sei que parte de mim ainda dava tudo para te ter de volta.
Sei que só futuro sabe o que vai ser de nós.

Sempre Tua,
Joana

25/03/2014

Conversas das 5 da manhã

O amor é, de facto, uma ilusão. Os humanos imaginam-no como sendo uma mistura dos filmes românticos, com cartas de amor e contos de fada, quando, no fundo, é exactamente o oposto. Fomos criados numa sociedade talhada para crer que um beijo é um sinal de paixão, e que o sexo é troca de afecto. Tudo isto não passa de uma farsa. Um beijo é um beijo, um abraço é um abraço, e sexo, é isso mesmo, sexo. Existe no mundo um conceito muito errado de romance, e talvez seja por isso que a maioria das relações não funciona.
Não quero com isto dizer que não acredito no amor, mas sim que tenho um conceito diferente da palavra. E que para mim amor só há um, o primeiro.

16/03/2014

"Há coisas que não se explicam. Como o porquê de certas vezes termos a sorte de ver uma estrela cadente, ou a razão que nos leva a sentir a urgência de um cigarro depois do sexo. Esta é uma delas. Não há maneira simples de decifrar o que vai na minha cabeça. Não há explicação para o que faço. "

Esta é a história de uma rapariga que vive para o amor. Mas não, não é uma história de amor.
Passava os dias em busca da sua alma gémea, seguindo o destino como se fosse um caminho fácil e credível, sonhava em jeito de filmes e ouvia letras de músicas românticas a pairar na sua cabeça quando imaginava o futuro. Apaixonada, ingénua, e pura. Vivia numa ilha de felicidade, só dela. Um dia, apaixonou-se, no outro, partiram-lhe o coração.
Agora, vive com medo. Medo de si própria, medo do futuro, medo do amor. Vive sozinha numa ilha de sonhos perdidos e ilusões quebradas. Entretanto, quando aparece alguém, abre a janela, um bocadinho, e durante instantes sente-se uma sonhadora de novo. E imagina cenários com flores e música, e faz planos para passar tardes em roupa interior a ver filmes românticos, e sonha e continua a sonhar. Até que se apercebe que não é aquilo que quer, não é aquilo que o destino lhe reservou. E aí prefere o silêncio da sua mente ao barulho de quem se aproxima.

Primeiro.

"Diz-se que não há amor como o primeiro."
E é verdade. Porque é exactamente isso que ele é. O primeiro. Foi com ele que conheceste o mundo, foi ele que te fez sentir coisas inexplicáveis, e as sentiu de volta. Foi ele, o primeiro, que te partiu o coração. Foi por ele que passaste horas a chorar, e meses a tentar apagar cada restinho de recordações na tua alma.
Mas por muito que ele te tenha magoado, vais sempre amá-lo um bocadinho. Sempre. Para sempre. Vai ficar para sempre gravado no teu coração. No entanto, vais demorar muito tempo a aperceber-te disso. Vais compará-lo a cada pessoa nova que encontrares, e nenhuma delas vai alcançar a tuas expectativas. Porque ele foi o teu primeiro amor. Depois de meses, anos, e milhares de tentativas frustradas de o esquecer. Quando finalmente pensares que conseguiste, ele vai-te ligar, ou vais vê-lo num café, ou vais encontrar ao acaso uma antiga fotografia ou mensagem, ou passar por um lugar que era importante para vocês, e vais voltar a sentir tudo de novo. Vais aperceber-te do quanto ele era importante para ti e do quão grandioso era o vosso amor e que, afinal, não ultrapassaste essa pessoa tão bem quanto esperavas.

10/03/2014

Sabes que é errado. Que ele não vale a pena. Mas mesmo assim não consegues evitar pensar nele, porque pequenos momentos do teu dia te lembram de algo que fizeram juntos, porque alguém te diz que o viu com a outra, ou porque ela insiste em perseguir-te. E dói. Porque a memória dele traz agarradas as de todos os outros. E custa. Porque achavas mesmo que ia ser para sempre, que iam ser uma família: tu, ele e o resto. Que iam passar sempre férias juntos, e beber até cair, e rir, e trocar prendas, e passar noites e madrugadas em casa uns dos outros. E choras. Porque vês todas as recordações que tens do grupo fantástico que foi. Vês filmes e fotografias, e choras. Porque apesar de saberes que é errado, que eles não são, nem nunca vão ser ninguém, já foram os alguéns mais importantes da tua vida.
Chega. Sabes que há coisas melhores. E não podes abdicar da tua felicidade para ficares agarrada a monstros do passado.
Agora aproveita! Aproveita o que chegou. O que parece que vai ficar. O que sabe quem tu és, de verdade. Sê feliz.

09/03/2014

Escritora de alma

Passei os últimos dias a tentar decidir o que escrever aqui, de novo. E vejo-me parada a olhar para uma página em branco sem saber o que dizer. A tentar escrever coisas que sinto, ou que não sinto, só para que saia um texto bonito e poético. E não consigo. Porque só sei escrever o que me vai na cabeça, e não inventar palavras e cenários ousados que me vão fazer parecer uma artista.
Sou uma escritora da alma, e não da beleza. Não tenho imaginação para contar histórias de amor, ou contos de fadas, só sei escrever pela experiência. E é por aí que cada palavra que digito no teclado se guia. Cada letra segue o caminho de todas as minhas cicatrizes, memórias e sonhos. E nenhuma delas é pensada. Saem pelos meus dedos como da minha mente para o ecrã, como do meu coração para o papel. E é assim que eu, uma amadora, conto as minhas histórias, partilho os meus desgostos e as minhas emoções, liberto a minha tristeza.

16/02/2014

Noites Longas

Pensei que a partir do dia em que deixasse de sentir saudade, ela nunca mais iria voltar. Enganei-me. Voltou, na pior noite, no pior momento. E vinha carregada de recordações dolorosas, de dor, de inseguranças. Fez-me derramar lágrimas por pessoas que não merecem sequer um segundo na minha mente. Fez-me duvidar de mim, novamente, e de todos. Fez-me passar um fim de semana a sentir a solidão como antigamente, esmagadora. Deu-me motivos e tempo para pensar. E fez-me bem, nesse campo. Apercebi-me que o que preciso é de ser a pessoa certa. Em vez de procurar por alguém que faça esse papel. Fez-me trazer ao de cima sentimentos que pensei que não sentiria tão cedo: a vontade de sentir um abraço, de ser chamada ''amor'', de receber uma mensagem de boa noite tão longa que perdemos a vontade de ir dormir só para a reler mais 10 vezes, de receber um beijo de bom dia, uma prenda num aniversário... Essas sensações, agora, envolvem-me como nuvens, não me deixam sentir mais nada, pensar em mais nada, e torna-se uma obsessão tentar encontrar alguém que preencha esse vazio. Sei que não pode ser assim! O que tiver que acontecer acontece. Mas não é por isso é que custa menos.

02/02/2014

Sorte

Perder um namorado foi fácil. Perder cinco amigos juntamente com um namorado é que doeu.
Eu digo amigos quando na verdade os considerava irmãos. Eram a minha força, o meu abrigo, os meus pilares. E se caí ao perder o suposto "homem da minha vida", caí ainda mais fundo ao perdê-los pois não tinha ninguém para me apanhar. É difícil perder as pessoas com quem passei o meu dia-a-dia durante dois anos, e agora arrependo-me de todos aqueles a quem virei costas. Por eles, fazia tudo, dava tudo, e deixei tantas pessoas para trás que penso que mereço ter ficado sozinha.
Há pessoas que acreditam no destino, eu acredito na sorte. Eu tive sorte, muita. Os companheiros que deixei escapar há dois anos sem olhar para trás foram aqueles que não hesitaram em apoiar-me e dar-me tudo o que eu precisava nestes momentos dolorosos. Foram eles que vieram ter comigo quando eu não me conseguia levantar, foram eles que me contaram histórias do passado na esperança de ver um sorriso brotar dos meus lábios, foram eles que me acompanharam em bebedeiras de esquecimento e foram eles que me deram força para chegar onde estou.
Os outros? Esses não passavam de um farsa. Amigos que se diziam família por interesses. Por boleias, por cigarros, por bebidas, por cafés. Esses, agora, não são ninguém. Esses são pessoas por quem eu passo e ignoro, com toda a minha força, e sorrio como quem diz: Estou melhor sem vocês!

30/01/2014

Consequências

"Como conseguiste curar o teu coração partido tão rápido?"
Esta pergunta já me foi feita por três diferentes pessoas, com três perspectivas distintas em relação ao amor. E no entanto, o espanto foi sempre o mesmo: não conseguem acreditar que eu já tenha esquecido o animal que me enganou durante dois anos.
Meus caros, a resposta é simples: Quando um coração se parte uma vez, nunca volta a ficar inteiro.
A minha alma foi despedaçada três anos atrás, e desde aí nunca foi a mesma. Por uns tempos, pareceu ter voltado a sê-lo, pura, inocente, genuína, apaixonante; mas quando me tentaram destroçar novamente, ela não deixou. Ela já sabia o que se iria passar, e estava preparada, como que se as cicatrizes do passado formassem uma armadura que protege o meu pequenino ser, como se todas as janelas que eu deixei abertas se fechassem novamente, para que os rios de memórias não pudessem sair. Foi assim que consegui seguir em frente e chegar onde estou agora. Uma adulta feliz, forte, e confiante.
Mas eu sei que nada bom vem sem consequências, e estas só as revelei uns dias atrás. Ao fechar janelas e criar armaduras, apercebi-me que não vou conseguir "agarrar-me" a ninguém, não vou conseguir voltar a confiar cegamente em ninguém como já fiz. Porque ao ser enganada pela última pessoa que pensei que o fosse fazer sinto-me completamente insegura em relação a todos os outros. Sinto que ninguém é verdadeiro, ninguém é quem diz ser, e quem menos esperamos pode atraiçoar-nos num abrir e fechar de olhos. E tenho medo! Será que nunca me vou voltar a apaixonar?

28/01/2014

ainda se queixam das praxes. queixem-se dos exames

Estou completamente exausta. O meu cérebro está tão sobrecarregado que nem consigo dormir. Não me consigo concentrar para estudar, e só penso no que não quero. 
O stress dos exames está a pôr-me maluca,  e graças a isso lembro-me do anormal que me partiu o coração. E consequentemente não consigo estudar. O que leva a mais stress, mais memórias, mais choro. 
NUNCA MAIS ACABA?

26/01/2014

A girl who reads

“Date a girl who reads. Date a girl who spends her money on books instead of clothes. She has problems with closet space because she has too many books. Date a girl who has a list of books she wants to read, who has had a library card since she was twelve.

Find a girl who reads. You’ll know that she does because she will always have an unread book in her bag.She’s the one lovingly looking over the shelves in the bookstore, the one who quietly cries out when she finds the book she wants. You see the weird chick sniffing the pages of an old book in a second hand book shop? That’s the reader. They can never resist smelling the pages, especially when they are yellow.

She’s the girl reading while waiting in that coffee shop down the street. If you take a peek at her mug, the non-dairy creamer is floating on top because she’s kind of engrossed already. Lost in a world of the author’s making. Sit down. She might give you a glare, as most girls who read do not like to be interrupted. Ask her if she likes the book.

Buy her another cup of coffee.

Let her know what you really think of Murakami. See if she got through the first chapter of Fellowship. Understand that if she says she understood James Joyce’s Ulysses she’s just saying that to sound intelligent. Ask her if she loves Alice or she would like to be Alice.

It’s easy to date a girl who reads. Give her books for her birthday, for Christmas and for anniversaries. Give her the gift of words, in poetry, in song. Give her Neruda, Pound, Sexton, Cummings. Let her know that you understand that words are love. Understand that she knows the difference between books and reality but by god, she’s going to try to make her life a little like her favorite book. It will never be your fault if she does.

She has to give it a shot somehow.

Lie to her. If she understands syntax, she will understand your need to lie. Behind words are other things: motivation, value, nuance, dialogue. It will not be the end of the world.

Fail her. Because a girl who reads knows that failure always leads up to the climax. Because girls who understand that all things will come to end. That you can always write a sequel. That you can begin again and again and still be the hero. That life is meant to have a villain or two.

Why be frightened of everything that you are not? Girls who read understand that people, like characters, develop. Except in the Twilightseries.

If you find a girl who reads, keep her close. When you find her up at 2 AM clutching a book to her chest and weeping, make her a cup of tea and hold her. You may lose her for a couple of hours but she will always come back to you. She’ll talk as if the characters in the book are real, because for a while, they always are.

You will propose on a hot air balloon. Or during a rock concert. Or very casually next time she’s sick. Over Skype.

You will smile so hard you will wonder why your heart hasn’t burst and bled out all over your chest yet. You will write the story of your lives, have kids with strange names and even stranger tastes. She will introduce your children to the Cat in the Hat and Aslan, maybe in the same day. You will walk the winters of your old age together and she will recite Keats under her breath while you shake the snow off your boots.

Date a girl who reads because you deserve it. You deserve a girl who can give you the most colorful life imaginable. If you can only give her monotony, and stale hours and half-baked proposals, then you’re better off alone. If you want the world and the worlds beyond it, date a girl who reads.

Or better yet, date a girl who writes.” 

Rosemarie Urquico

22/01/2014

"Passarinho"

Se há alguém que me custa ter perdido nisto tudo, és tu. Não o meu namorado. Mas tu, o meu melhor amigo. Eras de verdade um irmão para mim. E dói ver-te e sentir que me repulsas. EU NÃO FIZ NADA ERRADO! Tu prometeste que nunca ias deixar de ser meu amigo, e ainda assim, aí estás tu, há 3 semanas sem me responder ou atender ou olhar.
Se há alguém que me magoou de verdade, agora, és tu. Era em ti que confiava, metia as minhas mãos no fogo por ti. E tudo não passava de interesses. Não consigo acreditar que não te lembres de mim... Depois de tantas horas, tantos dias, tantas noites juntos. O meu companheiro. Toda a gente que nos conhecia sabia que tínhamos uma amizade especial, genuína e pura. Eu sabia isso. Mas agora já não tenho certezas de nada. Como é tão fácil para ti ignorares-me? Finges que não existo. Quando sofreste fui eu que te limpei as lágrimas, quando pensavas que não podias cair mais fundo fui eu que te puxei para cima, e quando rias de alguém era comigo. Passámos tanto juntos. E tenho mais memórias contigo do que com ele. Eu entendo que sejas amigo dele. Mas é tão injusto para mim o que me fazes. Eu NUNCA saí do teu lado. E prometi que nunca ia sair. Não tenho mais forças J, não consigo tentar mais, não posso esforçar-me mais quando sinto que não me queres por perto.
Sabes, "every girl needs a guy bestfriend", tu eras mais que isso. Eras a minha outra metade. Dói muito. Lamento muito. Mas já dei demasiado de mim.

13/01/2014

Droga

Será normal a falta que sinto do contacto físico? Será normal chorar por não ser tocada há meses?
Sinto-me dependente. Como se me tirassem o ar cada vez que falam de sexo. Como se o chão escapasse dos meus pés quando vejo um beijo, ou um par de mãos entrelaçadas. Como se não houvesse futuro depois dele. E sinto-me ridícula, quando olho para o que fiz no passado e pondero voltar a fazê-lo, voltar a tornar-me no que fui. Quando estou consciente sei que não o quero repetir, mas tenho os meus instantes de insanidade, e é neles que confio para me libertar. Para deixar este demónio sair. Preciso de sexo para me sentir livre. Tenho noção do quão degradante é dizer isto, e do quanto me estou a rebaixar. Mas é a verdade. E onde dizê-lo se não aqui?
O sexo é a minha droga.

12/01/2014

esta é directamente para ti.

You didn’t love her. You just didn’t want to be alone. Or maybe, maybe she was good for your ego. Or maybe she made you feel better about your miserable life, but you didn’t love her, because you don’t destroy the person that you love.

07/01/2014

Minha Coimbra



Ao andar pela noite nas ruas desta cidade apercebo-me de toda a sua beleza e encanto. Consigo ouvir o fado nas pedras da calçada. E consigo ver, esteja onde estiver, a luz que ilumina a ''Cabra''. É em momentos como estes que caio em mim e noto que não posso temer esta minha Coimbra. Tenho de parar de ter medo de passar em antigos bairros, e parar de ter medo de ver as caras conhecidas. Não posso deixar que o meu passado aqui influencie negativamente o que o futuro me trará. Preciso de abrir os braços e agarrar cada estátua, cada candeeiro, cada igreja, cada rua com a força que ela me dá, e aceitar tudo o que me traz para viver. Não há cidade mais genuína, mais verdadeira, mais apaixonante que esta. Bela, no seu todo, revigorante, inspiradora, autêntica. Uma cidade que te faz sorrir só por passares um ponte e avistares ao longe o reflexo das luzes no Mondego. Cidade esta que te faz sentir música e tradição onde quer que passes, te traz lágrimas quando tens que partir, e aquece o coração quando a voltas a ver.
Coimbra foi, é, e será sempre, a minha alma gémea.

03/01/2014

Carta ao primeiro

Não sei se ainda te lembras de mim... Sou aquela com quem descobriste o amor. Aquela que te mostrou o mundo e acabou por te partir o coração. Aquela a quem tu deste tudo de ti, e deitou tudo para o lixo.
Eu lembro-me de ti, vagamente. É triste, olho para trás e depois do que sofri é como se todas as lembranças se tivessem apagado. Acreditas que não me lembrava do ''special place''? Agora que estou numa situação semelhante à que te coloquei consigo finalmente entender todo o mal que te fiz. Gostava de ter coragem para te dizer isto a ti, ao invés de o publicar no meu cantinho escondido... Mas é difícil. Não tenho força, tenho demasiada vergonha para falar contigo passados tantos anos. E sei que és feliz sem a minha presença na tua vida.
No fundo, tudo o que eu quero é pedir-te desculpa. E desta vez, sinceramente. Nunca o consegui fazer porque nunca entendi o que fiz de errado, não até agora. Desculpa ter-te dado o universo e não ter hesitado em tirar-to. Desculpa ter sido uma criança, ter-te enganado a ti, e a mim. Desculpa ter-te amado tanto, e ter-te feito amar-me assim.  Desculpa todas as lágrimas que te vi deitar por mim, todas as noites em que te deitaste a pensar o que tinhas feito errado, todas as vezes em que me rogaste pragas e te arrependeste de te ter apaixonado por mim. Desculpa não ter sido melhor. Desculpa ter saído da tua vida, de todas as formas, desculpa todas as vezes que te ignorei. Desculpa ter-te perseguido durante meses. Desculpa, porque és e vais ser sempre o primeiro amor e o primeiro erro. Desculpa porque nunca te vou esquecer, na verdade, desculpa porque vou sentir sempre um bocadinho a tua falta. Desculpa não conseguir dizer-te isto, e não ter conseguido fazê-lo mais cedo. Desculpa ter-te perdido.

02/01/2014

Booty Calls

O passado tem tantas coisas que valem a pena relembrar, coisas que quero reviver. Eu era boa a ser solteira, feliz, independente. Podia ser exagerada, mas aproveitei ao máximo e não há nada que me arrependa de ter feito. Sinto falta de ser assim. Quero ir para a rua, conhecer pessoas, ter novas experiências, rir com novos amigos, ser feliz sozinha com ''companhias ocasionais''... Quero sair só com as meninas, e passar a madrugada a dançar. Combinar cafés que se tornam em sleepovers e idas ao shopping que se convertem em bebedeiras. Quero conhecer pessoas que me arrepiem, que me toquem, me sorriam e me piscam o olho.

Quero dizer que sim ao que me convida para ir fazer-lhe companhia. Quero ter coragem, ir ter com ele, sentar-me no sofá a ver o filme que há tanto combinávamos, e deixar que ele me olhe com aquele olhar que me dá sempre, aquele olhar que mostra que me quer, mas ao mesmo tempo, tem medo da minha reacção. E aí, quero olhar de volta e sorrir como quem quer dizer ''estás à vontade''. Não tenho motivos para ter medo, posso, e devo, aventurar-me. E como a fiel Carrie Bradshaw diz: Os homens são apenas pessoas com quem nos divertimos.